Notícias /

Como fazer um planejamento previdenciário?

Como fazer um planejamento previdenciário?

Um planejamento previdenciário é essencial para você obter a melhor aposentadoria.

E nesse conteúdo, vai descobrir como fazer um bom planejamento previdenciário, quando começar o planejamento, como uma advogada especialista poderá te ajudar e muito mais.

Confira o que você vai encontrar:

  1. O que é um planejamento previdenciário?
  2. Quem deve fazer um planejamento previdenciário?
  3. Quando começar o planejamento previdenciário?
  4. Como fazer um planejamento previdenciário?
  5. Quanto custa um bom planejamento previdenciário?
  6. Como contratar uma advogada especialista em planejamento previdenciário?

Com essas informações, você estará preparado para garantir a melhor aposentadoria possível.

Tenha uma boa leitura.

1. O que é um planejamento previdenciário?

O planejamento previdenciário é um estudo do seu histórico previdenciário que pode antecipar e até aumentar o valor da sua aposentadoria.

Quando me refiro a estudo do histórico previdenciário, estou me referindo a:

  • Análise de todos os vínculos contributivos
  • Datas desses vínculos para a realização do cálculo de tempo de contribuição e carência
  • Valor de todas as remunerações e contribuições para o cálculo do possível benefício
  • Divergências no extrato CNIS
  • Dentre outras informações fundamentais

É justamente essa análise que irá apontar quanto tempo você ainda precisará contribuir para o INSS e a estimativa matemática que permitirá saber quanto você poderá receber de aposentadoria.

Lembrando que o valor será uma projeção e não o cálculo com exatidão, uma vez que deverão ser levados em conta reajustes, inflação, além de mudanças nas regras previdenciárias.

2. Quem deve fazer um planejamento previdenciário?

Todo trabalhador que deseja se aposentar com segurança deve fazer um planejamento previdenciário.

E o planejamento previdenciário também é válido para quem:

  • Tem vários vínculos previdenciários/empregatícios
  • Está pagando o INSS por conta própria
    •  Facultativo ou individual
  • Não está contribuindo para a Previdência Social no momento
  • Exerceu ou exerce atividade especial
    •  Exposto a agentes insalubres ou periculosos
  • Trabalhou em períodos no serviço público e na iniciativa privada
  • Possui contribuições previdenciárias em atraso
  • Possui contribuições em outros regimes
    •  Servidor público ou militar
  • Já teve processos trabalhistas
  • Trabalhou sem carteira assinada
  • Trabalhou para empresa que não recolheu o seu INSS
  • Trabalhou na condição de pessoa com deficiência
  • Trabalhou em área rural, como pescador artesanal, seringueiro ou segurado especial
  • Trabalhou no exterior

Dessa forma, o planejamento previdenciário irá indicar quanto tempo você precisará contribuir para o INSS e alcançar a sonhada aposentadoria.

3. Quando começar o planejamento previdenciário?

Essa é uma das dúvidas mais comuns dos clientes aqui em meu escritório.

Apesar de não existir uma regra, o ideal é começar o planejamento na faixa etária dos 30/35 anos de idade.

Isso porque, quanto mais cedo o plano for traçado, maior será o ganho do trabalhador.

Além disso, outros fatores devem ser levados em conta na hora de começar o planejamento, como:

  • Tipos de aposentadoria
  • Tempo de contribuição
  • Valor de contribuição
  • Valor que o trabalhador deseja receber de aposentadoria
  • Fator previdenciário
  • Aplicação das regras de transição

O ideal é buscar o auxílio de uma boa advogada especialista em previdência, para analisar o seu histórico e traçar o planejamento para que você receba a melhor aposentadoria possível.

4. Como fazer um planejamento previdenciário?

Embora não seja obrigatório, é recomendável fazer o planejamento previdenciário com uma boa advogada especialista em benefícios.

E principalmente após a Reforma Previdenciária, que trouxe regras mais rigorosas e nova forma de cálculo de benefício.  

E não precisa se preocupar, eu listei o passo a passo de como fazer um bom planejamento previdenciário.

Confira.

1. Organizar a documentação

O primeiro passo para fazer um planejamento previdenciário, é organizar a documentação.

Conheça os documentos necessários:

  • CTPS
  • CNIS
  • GPS
  • LTCAT, PPP
    •  No caso de atividade especial
  • Extrato do FGTS
  • Carnês de contribuição
  • Contracheques
  • Holerites
  • Ficha funcional e ficha financeira
  • Documentos que atestem o período rural
  • CTC – Certidão de Tempo de Contribuição de Regime Próprio (no caso de período de serviço público)
  • Alistamento militar

Esses são os documentos considerados importantes  para realizar  o planejamento previdenciário.

Só assim, a advogada especialista saberá se serão necessários documentos complementares para dar continuidade ao planejamento.

E quanto mais documentos você tiver a mais na hora do planejamento previdenciário, melhor será o mapeamento da situação previdenciária.

2. Verificar todo o período contributivo

Já o segundo passo, será a verificação de todo o seu período contributivo, como:

  • Vínculos registrados no CNIS
  • Se as datas informadas estão corretas
  • Se as remunerações também foram registradas corretamente
  • Se existem atividades especiais que possam aumentar o tempo de contribuição
  • Dentre outras informações

3. Regularizar pendências no INSS

Se existir qualquer erro em relação ao período contributivo, será  preciso regularizar no INSS para que a aposentadoria seja concedida corretamente..

Aliás, essa situação é mais comum do que você imagina.

Os principais erros que costumam existir na verificação do período contributivo são:

  • Vínculos com datas erradas no CNIS
  • Vínculos sem data de término
  • Ausência do salário de remuneração
  • Salários de contribuição com valor errado

Por isso é tão importante regularizar todas as pendências com antecedência.

Esses erros, podem fazer a sua aposentadoria ser negada ou até mesmo concedida com um valor inferior ao que você teria direito.

4. Analisar todas as possibilidades de aposentadoria

Com a documentação em mãos e pendências sanadas, o próximo passo é verificar todas as possibilidades de aposentadoria.

E como são muitas regras, para verificar a melhor aposentadoria após a Reforma da Previdência, é preciso levar em conta 3 fatores, quais sejam:

  1. Direito adquirido às regras anteriores
  2. Análise do benefício pelas novas regras de transição
  3. Verificação da aposentadoria de acordo com as regras permanentes

5. Cálculo do tempo de contribuição

O quinto passo, após a verificação de todo o período contributivo, é o cálculo do tempo de contribuição.

E essa é a etapa mais difícil, já que nem todas as contribuições são contadas pelo INSS, como:

  • Reflexo de reclamação trabalhista na Justiça
  • Período de aviso prévio
  • Atividade rural a partir dos 12 anos de idade
  • Dentre outras hipóteses

Como você pode observar, o planejamento dependerá de todo seu histórico contributivo.

6. Projeções

O próximo passo, será a projeção do quanto você ainda deverá contribuir para o INSS, de acordo com as regras previdenciárias e mostrar:

  • As melhores possibilidades de aposentadoria
  • Data prevista para entrar com o pedido de aposentadoria
  • Idade que você deverá ter
  • Valores brutos e líquidos
  • ROI previdenciário
  • Dentre outras informações

Veja que o planejamento previdenciário irá cruzar todo o histórico do trabalhador com os dados do INSS, e encontrar o caminho para que você receba a melhor aposentadoria.

E nem sempre o trabalhador tem o conhecimento técnico para fazer toda a análise documental e chegar ao melhor planejamento para obter a aposentadoria desejada.

5. Quanto custa um bom planejamento previdenciário?

Já adianto que não existe um valor fixo a ser cobrado.

O planejamento previdenciário é um estudo detalhado que poderá variar de caso para caso.

No entanto, existem os valores mínimos e máximos que podem cobrados pelo especialista, definidos pela OAB – Ordem dos Advogados do Brasil, levando em conta:

  • Complexidade do planejamento previdenciário
  • Trabalho e tempo necessário para realizar o estudo minucioso
  • Renome do profissional que irá elaborar o planejamento
  • Dentre outras questões

6. Como contratar uma advogada especialista em planejamento previdenciário?

Você deverá ter em mente, que se trata de uma profissional que você vai se relacionar por muitos meses, desde a fase do planejamento da aposentadoria ao final do processo na concessão do benefício.

Ela estudará o seu perfil trabalhista e previdenciário, avaliando o melhor momento para o requerimento da aposentadoria, além de orientações quanto aos procedimentos exigidos pelo INSS.

Um bom atendimento será indispensável, seja para planejar a aposentadoria ou esclarecer eventuais dúvidas que possam surgir no decorrer do processo.

Mas, antes de contratar uma advogada que irá lutar por seus direitos e interesses, certifique-se da idoneidade e se ele é especialista na área previdenciária.

Não sabe por onde começar? É simples.

1. Consulte o número de inscrição da OAB

Para você verificar se a OAB da advogada que irá realizar o seu planejamento previdenciário é simples.

Basta ir direto na página da OAB de seu Estado e averiguar a inscrição com base em uma dessas duas informações:

  • Nome completo
  • Número de inscrição na OAB

Em Curitiba, por exemplo, essa é a página para Consulta de Advogados.

Se contar a informação “regular” pode ficar tranquilo que a advogada está apta a cuidar de sua aposentadoria.

2. Navegue pelo site do escritório

Verifique a página do escritório da advogada que cuidará de seu planejamento.

Esse é o momento de checar os dados de contato, ler os artigos e conteúdo que a advogada produz, dentre outras informações.

Aqui na Patricia Salomão  estamos sempre atualizados com todas as mudanças na legislação para atender todas as necessidades de nossos clientes.

3. Agende uma visita

Você ainda poderá solicitar uma consulta com a especialista, avaliar os meios de comunicação e a proposta de honorários.

Além disso, você poderá:

  • Ter uma visão de toda a sua situação previdenciária
  • Uma projeção para o seu caso específico
  • Tirar todas as suas dúvidas e descobrir como buscar a melhor aposentadoria

Com essa pesquisa, garanto que você terá boas referências e saberá pesar os prós e os contras para contratar a melhor advogada especialista em aposentadorias.

Conclusão

Ao me acompanhar nessa leitura, você descobriu como fazer um bom planejamento previdenciário. 

E não importa a idade, o planejamento previdenciário é a melhor ferramenta para quem quer se aposentar de forma tranquila e com um excelente valor de benefício.

Aqui você viu também:

  • O que é um planejamento previdenciário
  • Quem deve fazer um planejamento previdenciário
  • Quando começar o planejamento previdenciário
  • Quanto custa um bom planejamento previdenciário?
  • Como contratar uma advogada especialista em planejamento previdenciário

Se conhece alguém que está prestes a se aposentar, compartilhe nosso conteúdo.

Leia também:

 05 Sinais que você precisa pensar no valor de sua aposentadoria 

Quais são as regras para a aposentadoria da pessoa com deficiência?

Aposentadoria por Contribuição em 2023: Guia completo. 

Continue nos acompanhando.

Patrícia Salomão
OAB/MG n. 81.113
Especialista em Direito Previdenciário e sócia proprietária do Escritório Patrícia Salomão Advocacia desde 2003. Já são mais de 20 anos auxiliando milhares de trabalhadores na concessão das suas aposentadorias. Além disso, Patrícia é cridadora de conteúdo digital e professora de Direito Previdenciário

Siga nossas redes sociais:

Compartilhar: