fbpx

Previdência para Servidor Público

Previdência para Servidor Público

Servidor Público

PARA QUEM CUMPRIU OS REQUISITOS ATÉ 13/11/2019

O Regime previdenciário dos Servidores Públicos titulares de cargo efetivo  é o chamado Regime Próprio de Previdência Social – RPPS. As regras gerais e principais sobre o funcionamento dos RPPS estão no Art. 40 da Constituição Federal/88, alterado pelas reformas previdenciárias trazidas pela Emendas Constitucionais nºs 20/98, 41/2003 e 47/2005. 

Observe-se que cada ente federativo (União, Estados e Municípios) tem a legislação própria para regulamentar o RPPS dos seus Servidores.

 

As modificações trazidas pela Lei n. 9.876/99 e pelas Emendas Constitucionais nºs 20/98, 41/2003 e 47/2005 são aplicadas de imediato aos servidores que ingressaram no serviço público após as suas vigências e não se aplicam aos servidores que até esta data já haviam preenchido os requisitos para a concessão do benefício. 

Já, para aqueles servidores que já haviam ingressado no serviço público antes das referidas modificações, mas não haviam preenchido os requisitos para a concessão da aposentadoria, foram criadas as regras de transição, a seguir expostas. 

 

 Benefícios Previdenciários do Servidor Público

O art. 40 da Constituição Federal de 1988 dispõe sobre os benefícios previdenciários dos Servidores Públicos titulares de cargos efetivos e abrangidos pelo Regime Próprio de Previdência Social.

O referido dispositivo assegura aposentadoria por  invalidez permanente, aposentadoria compulsória, aposentadoria voluntária e pensão por morte. 

Importante esclarecer que a partir da EC n. 20/98, as regras do art. 40 da CF/88 aplicam-se apenas aos servidores titulares de cargos efetivos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas autarquias e fundações. Uma vez que, a partir desta Emenda, aos servidores ocupantes, exclusivamente, de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração bem como de outro cargo temporário ou de emprego público, aplica-se o regime geral de previdência social.

 

Observe-se que os requisitos para a concessão de cada benefício irão depender da data em que o Servidor ingressou no serviço público e da data em que cumpriu as exigências para requerer o benefício.

Assim, estudaremos os benefícios previdenciários dos servidores públicos de acordo com as referidas datas e as respectivas regras a serem aplicadas. 

 

Servidores que ingressaram a partir de 01/01/2004 (Regra geral)

Os servidores titulares de cargos efetivos que ingressaram no serviço público após as Reformas Previdenciárias terão direito aos benefícios previdenciários nos termos do art. 40 da CF/88, conforme redação dada pela Emendas Constitucionais ns. 20/98 e 41/2003.  

Observe-se que, para o servidor público, uma das grandes mudanças trazida pela Emenda n. 20/98 foi a exigência de idade mínima para a aposentadoria voluntária por tempo. 

 

Já em relação à Emenda n. 41/03, a grande alteração foi o fim da integralidade, passando a aposentadoria ser calculada pela média, além do fim da paridade, ou seja, os benefícios passaram a ser corrigidos anualmente por índice fixado pela legislação. 

Assim, as regras para a concessão dos benefícios previdenciários dos servidores titulares de cargos efetivos são:

 

a) Aposentadoria voluntária por tempo (alínea “a” do inciso III do §1º do art. 40 da CF):

– Homem: 35 anos de tempo de contribuição e 60 anos de idade.

– Mulher: 30 anos de tempo de contribuição e 55 anos de idade.

– Tempo de efetivo exercício no serviço público: 10 anos.

– Tempo na carreira e no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria: 5 anos.

– Cálculo da aposentadoria: média aritmética simples dos 80% das maiores remunerações durante todo o período contributivo desde julho de 1994. Sobre essa média é aplicado percentual de 100%. (Fim da integralidade, ou seja, o valor do benefício não corresponderá ao valor da última remuneração do servidor). 

– Reajuste do benefício: anual por índice fixado pelo Executivo. (Fim da paridade, ou seja, não há equiparação com os reajustes das remunerações dos servidores ativos). 

– O benefício será limitado ao teto do Regime Geral (RGPS), desde que criado Previdência Complementar para os servidores.

– Há o abono de permanência para os elegíveis

– Há contribuição para os inativos sobre a parcela superior ao teto do RGPS.

 

Obs.: Haverá redução de 5 anos na idade e no tempo de contribuição para o professor ou professora que comprove exclusivamente tempo de efetivo exercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio. 

Assim, não haverá esta redução para os professores de ensino superior e os docentes que não ministram aulas.

 

b) Aposentadoria voluntária por Idade (alínea “b” do inciso III do §1º do art. 40 da CF).

– Homem: 65 anos de idade

– Mulher: 60 anos de idade

– Tempo de efetivo exercício no serviço público: 10 anos.

– Tempo no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria: 5 anos.

– Proventos proporcionais ao tempo de contribuição.

 

Importa observar que proventos integrais são diferentes de integralidade. Naqueles, integrais referem-se a o coeficiente de cálculo de 100%, ou seja, não é proporcional, como é o caso do cálculo da aposentadoria por idade, por exemplo. Já a integralidade refere-se ao cálculo do benefício que corresponderá ao valor da última remuneração do servidor e não à média das remunerações.

As alterações trazidas para este benefício com Reforma Previdenciária foram o fim da integralidade, o fim da paridade e o aumento do tempo de serviço público para 10 anos. 

 

c) Aposentadoria compulsória (inciso II do §1º do art. 40 da CF)

– 70 anos de idade homem e mulher

– Aposentadoria proporcional ao tempo de contribuição 

As alterações trazidas para  este benefício com Reforma Previdenciária foram o fim da integralidade e da paridade. 

d) Aposentadoria por invalidez permanente (inciso I do §1º do art. 40 da CF/88)

– Proventos proporcionais ao tempo de contribuição, exceto se decorrente de acidente em serviço, moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou incurável, na forma da lei.

Não houve alteração para  a concessão deste benefício, em relação ao previsto anteriormente à Reforma Previdenciária, com exceção ao final, que a expressão “especificadas em lei” foi substituiu a expressão “na forma da lei”.  

 

e) Pensão por Morte (art. 40, §7º da CF/88)

A pensão por morte corresponderá: 

I – ao valor da totalidade dos proventos do servidor falecido, até o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social de que trata o art. 201 da Constituição Federal/88, acrescido de setenta por cento da parcela excedente a este limite, caso aposentado à data do óbito; ou 

II – ao valor da totalidade da remuneração do servidor no cargo efetivo em que se deu o falecimento, até o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social de que trata o art. 201 da Constituição Federal/88, acrescido de setenta por cento da parcela excedente a este limite, caso em atividade na data do óbito.

A pensão por morte sofreu alterações com a Emenda 41/2003. Assim, para os óbitos ocorridos até 30/12/03, a pensão por morte corresponderá a totalidade dos vencimentos ou proventos do servidor falecido, ou seja, terá a integralidade e a paridade.

Para os óbitos ocorridos a partir da vigência da EC n. 41/03 (31/12/03), não haverá mais o direito à paridade, mas permanece o direito à integralidade. Esta só deixará de existir, para óbitos, a partir de 21/06/2004, com a Lei n.10.887/04.

A partir da referida lei, que regulamentou o art. 40, §7º da CF/88, a pensão passa a ser calculada na forma dos itens I e II, acima. 

 

f) Aposentadoria especial (art. 40, §4º da CF/88)

É permitida a criação, por Lei Complementar, de requisitos e critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria especial aos seguintes servidores: 

– portadores de deficiência; 

– que exerçam atividades de risco;  

– cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física.

 

Enquanto não tenha sido criada a regulamentação destes benefícios especiais, os servidores poderão solicitar a aplicação das regras do RGPS, por analogia, conforme previsto no  §12, do art. 40 da CF/88.

Ressalte-se que,  após a vigência da EC n. 41/03 (31/12/03), não haverá a integralidade, nem tampouco a paridade, para a concessão de todos os benefícios previdenciários dos servidores públicos.

 

 Servidores que ingressaram até 16/12/98 e até 31/12/2003

Os servidores titulares de cargos efetivos que ingressaram no serviço público até 16/12/98 podem optar pela aposentadoria pela regra geral (art. 40 da CR/88), pela regra de transição 1(art. 2º da EC n. 41/03) ou pela regra de transição 2  (art. 6º da EC n. 41/2003) e por fim, pela regra de transição 3 (EC n. 47/2005). 

Observe-se que os servidores que ingressaram após 16/12/98 (EC n. 20/98), mas até 31/12/2003 (EC n.41/03) podem optar pela aposentadoria pela regra geral (art. 40 da CR/88) ou pela regra de transição 2 (art. 6º  da EC n. 41/03). Estes servidores não terão direito às regras de transição 1 e 3, prevista no art. 2º da EC n. 41/03 e no art. 3º da EC n. 47/2005, respectivamente, pois estas regras só se aplicam aos servidores que ingressaram no serviço público até 16/12/98.

A regra geral já foi estudada acima, assim, será exposta abaixo cada uma das regras de transição. 

Importa esclarecer que as regras de transição serão estudadas apenas em relação à aposentadoria voluntária por tempo de contribuição, pois foi a que sofreu as maiores modificações. 

 

a) Regra de transição 1 (art. 2º da EC n. 41/03):

Os servidores titulares de cargos efetivos que ingressaram no serviço público até 16/12/98, mas só cumpriram os requisitos posteriormente, podem optar pela regra de transição prevista no art. 2º da EC n. 41/2003, conforme abaixo:

– Homem: 35 anos de tempo de contribuição e 53 anos de idade.

– Mulher: 30 anos de tempo de contribuição e 48 anos de idade.

– Tempo adicional de contribuição de 20% sobre o tempo que faltava para se aposentar em 16/12/98.

– Tempo de efetivo exercício no serviço público: 5 anos.

– Tempo na carreira e no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria: 5 anos.

– Cálculo da aposentadoria: média aritmética simples dos 80% das maiores remunerações durante todo o período contributivo desde julho de 1994. Sobre essa média é aplicado percentual de 100%, com redução de 3,5% (e de 5% após janeiro/2006) por cada ano antecipado em razão do limite de idade da regra geral (60 anos, se homem e 55, se mulher). (Fim da integralidade, ou seja, o valor do benefício não corresponderá ao valor da última remuneração do servidor).

– Reajuste do benefício: anual por índice fixado pelo Executivo. (Fim da paridade, ou seja, não há equiparação com as remunerações dos servidores ativos). 

– O benefício será limitado ao teto do Regime Geral (RGPS), desde que criado Previdência Complementar para os servidores, e estes tenham aderido ao mesmo.

– Há o abono de permanência para os elegíveis.

– Há contribuição para os inativos sobre a parcela superior ao teto do RGPS.

 

Obs.: Para o professor ou professora que comprove exclusivamente tempo de efetivo exercício das funções de magistério, bem como, os Magistrados e Membros do Ministério Público ou do Tribunal de Contas, há a regra de transição. Eles terão um acréscimo de 17%, se homem e 20%, se professora, sobre o tempo de serviço exercido até 16/12/98, ou seja, o tempo será convertido.

Mas esta conversão só vale para aqueles servidores que seguirem a regra transitória na íntegra (pedágio, tempo de contribuição e  limite de idade), não podendo converter tempo e utilizá-lo na regra geral, na qual não previsão de conversão de tempo de professor, apenas de tempo exposto aos agente nocivos.

 

Diferenças em relação à regra geral:

Nesta regra de transição, diferentemente da regra geral, haverá:

– Redução da idade mínima (homem de 60 para 53 anos e mulher de 55 para 48 anos);

– Pedágio de 20%;

– Redução do valor do coeficiente de cálculo da aposentadoria: redução de 3,5% (e de 5% após janeiro/2006) por cada ano antecipado em razão do limite de idade da regra geral (60 anos, se homem e 55, se mulher).

Além disso, nesta regra de transição, o servidor não terá direito à paridade e à integralidade, como nas  demais regras de transição a seguir estudadas.

 

b) Regra de transição 2 (art. 6º da EC n. 41/2003):

Os servidores que ingressaram no serviço público até 31/12/03, mas só cumpriram os requisitos posteriormente, podem optar pela regra de transição prevista no art. 6º da EC n. 41/2003, ressalvado o direito de opção à aposentadoria pelas normas estabelecidas pela regra geral (art. 40 da Constituição Federal) ou pela regra de transição 1 (art. 2º da mesma Emenda), neste último caso, desde que já no serviço público em 16/12/98, conforme abaixo:

– Homem: 35 anos de tempo de contribuição e 60 anos de idade.

– Mulher: 30 anos de tempo de contribuição e 55 anos de idade.

– Tempo de efetivo exercício no serviço público: 20 anos.

– Tempo na carreira: 10 anos

– Tempo no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria: 5 anos.

– Cálculo da aposentadoria: integralidade, ou seja, o valor do benefício  corresponderá ao valor da última remuneração do servidor.

– Reajuste do benefício: paridade com o pessoal da ativa, ou seja, o benefício terá os mesmos reajustes dos servidores ativos.(em razão da EC 47/05).

– O benefício não será limitado ao teto do Regime Geral (RGPS). 

– Não há o abono de permanência, salvo se atender também os requisitos da regra geral ou da regra transitória 1.

– Há contribuição para os inativos sobre a parcela superior ao teto do RGPS.

 

Obs.: Haverá redução de 5 anos na idade e no tempo de contribuição para o professor ou professora que comprove exclusivamente tempo de efetivo exercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio. Ou seja, não haverá, por exemplo, esta redução para os professores de ensino superior.

 

Diferenças em relação à regra geral:

Nesta regra de transição, diferentemente da regra geral, haverá:

– Aumento do tempo de serviço público (passou de 10 para 20 anos) e na carreira (passou de 5 para 10 anos);

–  Direito à paridade e à integralidade.

 

c) Regra de transição 3 (EC n. 47/2005):

Os servidores que ingressaram no serviço público até 16/12/98, mas só cumpriram os requisitos para se aposentarem posteriormente, podem optar pela regra de transição prevista no art. 3º da EC n. 47/2005, ressalvado o direito de opção à aposentadoria pelas normas estabelecidas pela regra geral (art. 40 da Constituição Federal) ou pelas regras de transição 1 e 2 (art. 2º e 6º  da EC n. 41/03), conforme abaixo:

– Tempo de contribuição: para o homem, 35 anos e para a mulher, 30 anos.

– Idade: Se homem, 60 anos e se mulher, 55 anos de idade. Sendo que esta idade poderá ser reduzida de um ano para cada ano a mais de contribuição que ultrapassar o mínimo exigido.

– Tempo de efetivo exercício no serviço público: 25 anos.

– Tempo na carreira: 15 anos

– Tempo no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria: 5 anos.

– Cálculo da aposentadoria: integralidade, ou seja, o valor do benefício  corresponderá ao valor da última remuneração do servidor.

– Reajuste do benefício: paridade com o pessoal da ativa, ou seja, o benefício terá os mesmos reajustes dos servidores ativos. 

– O benefício não será limitado ao teto do Regime Geral (RGPS).

– Não há o abono de permanência, salvo se atender também os requisitos da regra geral ou da regra transitória 1.

– Há contribuição para os inativos sobre a parcela superior ao teto do RGPS.

 

Obs.: Não há previsão na EC n. 47/05 para o professor.

 

Diferenças em relação à regra geral:

Nesta regra de transição, diferentemente da regra geral, haverá:

– Aumento do tempo de serviço público (passou de 10 para 25 anos) e na carreira (passou de 5 para 15 anos);

–  Direito à paridade e à integralidade;

– Redução da idade mínima (60 homem e 55 mulher) de um ano para cada ano a mais de contribuição que ultrapassar o mínimo exigido (35 homem e 30 mulher).

 

 DIREITO ADQUIRIDO: Servidores aposentados ou elegíveis até 31/12/03 

Os servidores que adquiriram o direito à aposentadoria entre a vigência da EC 20/98 e da EC n. 41/2003 (16/12/98 e 31/12/03) terão direito ao benefício, ressalvado o direito de opção pelas regras transição acima expostas, conforme as regras vigentes à época e abaixo expostas:

(Fundamento legal: art. 40 da CF/88, com redação dada pela EC n. 20/98, combinado com o art. 3º da EC 41/2003)

– Homem: 35 anos de tempo de contribuição e 60 anos de idade.

– Mulher: 30 anos de tempo de contribuição e 55 anos de idade.

– Tempo de efetivo exercício no serviço público: 10 anos.

– Tempo na carreira e no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria: 5 anos.

– Cálculo da aposentadoria: integralidade, ou seja, o valor do benefício  corresponderá ao valor da última remuneração do servidor.

– Reajuste do benefício: paridade com o pessoal da ativa, ou seja, o benefício terá os mesmos reajustes dos servidores ativos. 

– Há o abono de permanência para os elegíveis.

 

Obs.: Haverá redução de 5 anos na idade e no tempo de contribuição para o professor ou professora que comprove tempo de efetivo exercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio.

 

Diferenças em relação à regra geral:

Nesta regra, diferentemente da regra geral, haverá:

–  Direito à paridade e à integralidade.

 

Diferenças em relação à regra anterior à EC n. 20/98:

– Aumento do tempo de serviço público (passou de 5 para 10 anos;

– Exigência de idade mínima.

 

 DIREITO ADQUIRIDO: Servidores aposentados ou elegíveis até 16/12/98 

Os servidores que adquiriram o direito à aposentadoria antes da vigência da EC 20/98 terão direito ao benefício conforme as regras vigentes à época e abaixo expostas:

(Fundamento legal: art. 40 da CF/88, na sua redação original, combinado com o art. 3º da EC 41/2003)

 – Homem: 35 anos de tempo de contribuição.

– Mulher: 30 anos de tempo de contribuição.

– Tempo de efetivo exercício no serviço público: 5 anos.

– Tempo na carreira e no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria: 5 anos.

– Cálculo da aposentadoria: integralidade, ou seja, o valor do benefício  corresponderá ao valor da última remuneração do servidor.

– Reajuste do benefício: paridade com o pessoal da ativa, ou seja, o benefício terá os mesmos reajustes dos servidores ativos. 

– Há o abono de permanência para os elegíveis.

 

Estes servidores podem optar pela aposentadoria proporcional aos 30 anos de tempo de serviço, se homem, e aos 25 anos, se mulher.

Obs.: Haverá redução de 5 anos na idade e no tempo de contribuição para o professor ou professora que comprove tempo de efetivo exercício das funções de magistério.

 

Diferenças em relação à regra geral:

Nesta regra, diferentemente da regra geral, haverá:

–  Direito à paridade e à integralidade;

– Aumento do tempo de serviço público (passou de 5 para 10 anos);

– Não há exigência de idade mínima.

– Direito à opção pela aposentadoria proporcional.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende uma consulta