AUXÍLIO EMERGENCIAL DE R$600,00 QUEM TEM DIREITO?

AUXÍLIO EMERGENCIAL DE R$600,00 QUEM TEM DIREITO?

AUXÍLIO EMERGENCIAL DE R$600,00 QUEM TEM DIREITO?

AUXÍLIO EMERGENCIAL

O Auxílio emergencial foi aprovado pelo Senado Federal no dia 30 de março de 2020, através do Projeto de Lei n. 1.066/2020. O Auxílio será de R$600,00 por mês e será pago aos trabalhadores autônomos, informais e sem renda fixa, com o objetivo de ajudá-los a enfrentar a crise provocada pelo novo coronavírus. Os valores serão pagos durante três meses, podendo ser prorrogado enquanto durar a epidemia.

 

Quem tem direito ao auxílio emergencial?

Para receber o auxílio, o trabalhador precisará cumprir cumulativamente os seguintes requisitos:

I. Ser maior de 18 anos;
II. Não ter emprego formal (ex: carteira assinada, servidor público) ou estar em contrato intermitente, sem atividade;

III. Não receber benefício previdenciário (aposentadoria, pensão, auxílio doença…) ou assistencial (BPC), beneficiário do seguro-desemprego ou programa de transferência de renda federal, ressalvado o Bolsa-Família;

IV. Ter renda familiar mensal por membro da família de até meio salário mínimo (R$522,50) ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos;
V. Não ter recebido, em 2018, rendimento acima de R$28.559,70;

Além de ter cumprido todos os requisitos acima, os beneficiários deverão se enquadrar em alguma das situações abaixo:

a) Exercer atividade na condição de MEI – Microempreendedor Individual;
b) Ser contribuinte individual ou facultativo da Previdência;
c) Trabalhador informal, desde que inscrito no CadÚnico ou ter cumprido o requisito de renda média até 20 de março de 2020.

Em resumo, podemos dizer que o auxílio emergencial de R$600,00 será pago aos trabalhadores informais, aos desempregados, aos Microempresários Individuais,  aos Contribuintes Individuais e facultativos, desde que maiores de 18 anos; que não recebam seguro desemprego, benefício previdenciário ou assistencial (salvo Bolsa-Família); que tenham renda familiar mensal por membro de até meio salário mínimo ou que tenham renda familiar total de até 3 salários mínimos e que não tenham recebido renda anual acima de R$28.559,70 em 2018:

 

Dúvidas frequentes:

– Quantos membros da mesma família podem receber o auxílio emergencial?

Até 2 membros da mesma família poderão receber o auxílio emergencial. Ou seja, cada família poderá receber até R$1.200,00 a título de auxílio emergencial.

– Quem recebe Bolsa-Família poderá receber auxílio emergencial?

Sim. Se o valor do auxílio for mais vantajoso para uma família inscrita no programa Bolsa Família, o auxílio o substituirá automaticamente enquanto durar essa distribuição de renda emergencial.

– A mulher provedora de família (“mãe solo”) receberá duas cotas do auxílio?

Sim, a mãe que arca sozinha com a criação de seus filhos terá direito ao recebimento de duas cotas do auxílio emergencial, ou seja, R$1.200,00, desde que também obedeça aos requisitos anteriormente mencionados.

– Como solicitar o pagamento do auxílio emergencial?

O benefício poderá ser solicitado através de uma plataforma digital disponível nos sites oficiais para cadastro e solicitação.

Qual é a documentação necessária para o requerimento do auxílio emergencial?

  1. Trabalhadores Informais: se inscritos no CadÚnico, o banco de dados do programa; se não inscrito, uma autodeclaração por meio da plataforma digital que será informada pelo governo;
  2. Desempregados: Carteira de Trabalho;
  3. Microempresários Individuais: Certificado da Condição de Microempreendedor Individual – CCMEI.

– Como será verificada a renda do solicitante?

A verificação de renda para receber o auxílio será feita pelo Cadastro Único do Ministério da Cidadania. Trabalhadores informais que não estavam inscritos no Cadastro antes do dia 20 de março poderão participar por autodeclaração.

– Quem pagará o auxílio emergencial?

De acordo com a notícia constante do site do Senado Federal, os pagamentos serão feitos pelos bancos públicos federais (Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) em três parcelas mensais, no mínimo. Os beneficiários receberão o valor em contas criadas especialmente para esse fim, que não exigirão a apresentação de documentos e não terão taxas de manutenção. Será possível fazer uma movimentação gratuita por mês para qualquer outra conta bancária.

 

Atenção!

Cuidado com golpe, faça a inscrição somente nos canais oficiais do governo, jamais a faça por link enviado por mensagens, pois as fontes podem não ser confiáveis!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quero agendar uma consulta